23 de abr. de 2010

Milionária, CBF toma receita de clubes da B

No ano em que deve bater todos os recordes de arrecadação, a CBF vai jogar pesado contra os endividados clubes da Série B. No contrato a que os times aderiram para ter suas partidas exibidas na televisão, a entidade presidida por Ricardo Teixeira vai descontar pelo menos R$ 4 milhões do acordo que tem validade até 2014.
O parágrafo único da cláusula 10 estabelece: "A cessionária [Globo] antecipará à CBF em cinco parcelas iguais e sucessivas, com vencimento nos dias 20 dos meses de março, abril, maio, junho e julho de 2009, o montante de R$ 4 milhões".
A Folha procurou a CBF para saber o motivo da antecipação, mas não obteve resposta.
O que é certo é que, neste ano, o contrato de R$ 19 milhões terá desconto na primeira parcela de R$ 800 mil, o que incidirá diretamente na receita líquida dos clubes. Outros R$ 4 milhões já foram descontados por "passivo existente de temporadas passadas e referentes a antecipações em dinheiro feitas pela cessionária".
Quando a FBA, que geria a Série B até 2008, foi extinta, tornaram-se públicas duas dívidas da associação: uma com a CBF, de R$ 2,8 milhões, e outra com o Clube dos 13, de R$ 2,4 milhões. Até agora, o C13 não recebeu um centavo. A entidade dirigida por Fábio Koff se reúne hoje com os times da Segundona para tentar rever os valores do contrato com a TV.
Descontadas as dívidas com CBF e Globo, cada clube receberá pelo campeonato cerca de R$ 800 mil. O valor equivale a 4% do contrato da primeira divisão, que está em cerca de R$ 500 milhões por ano.
O contrato da Série B foi o estopim da discórdia entre Fábio Koff e Ricardo Teixeira. O gaúcho se negou a assinar, em 2009, o atual acordo.
Como troco, o presidente da CBF lançou, com apoio da Globo, o flamenguista Kléber Leite à presidência do C13, derrotado por Koff por 12 a 8.
A segunda divisão virou objeto de desejo de Teixeira e de Koff na disputa pelo poder. Os clubes já anunciaram que não aceitarão o acordo atual com a Globo. Por isso, ouvirão as propostas de Koff e de Teixeira.
Teixeira telefonou para presidentes de clubes. O interesse repentino no torneio gerou até situações engraçadas. Um presidente de clube, que jamais havia recebido telefonema de Teixeira, achou que era trote.
O presidente do Sport, Silvio Guimarães, foi questionado pelo mandatário da CBF sobre o que ele precisava. Ouviu: "Presidente, preciso de um prato de feijão e um pedacinho de pão".
Enquanto os clubes pequenos "choram" por mais verba, a CBF vai faturar, só com parceiros, R$ 214 milhões em 2010.
Da Folha de São Paulo
Vamos continuar apostando na Timemania

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.