18 de mai de 2013

Os dois últimos rebaixados de 2013

Tocantins e Araguaína são os dois últimos clubes rebaixados nos Campeonatos Estaduais 2013. A dupla perdeu, neste sábado, pela última rodada do 2º Turno e acabou degolada no Tocantinense. O descenso no Estadual foi definido pela somatória de pontos dos dois turnos. Ao todo, 47 clubes foram rebaixados nas disputas estaduais. Confira:

ACRIANO
Náuas

ALAGOANO
Sport e União

AMAZONENSE
Tarumã e Rio Negro

BAIANO
Fluminense de Feira e Atlético de Alagoinhas

BRASILIENSE
Brazlândia e Botafogo

CAPIXABA
Espírito Santo e Rio Branco

CARIOCA
Olaria e Quissamã

CATARINENSE
Camboriú e Guarani

CEARENSE
São Benedito e Maracanã

GAÚCHO
Santa Cruz, Cerâmica e Canoas

GOIANO
Itumbiara e Rio Verde

MARANHENSE
Americano e São José

MATO-GROSSENSE
Vila Aurora

MINEIRO
Araxá e América Teófilo

PARAENSE
Independente e Castanhal

PARAIBANO
Cruzeiro e Paraíba

PARANAENSE
Nacional e Paranavaí

PAULISTA
Guarani, União Barbarense, São Caetano e Mirassol

PERNAMBUCANO
Belo Jardim e Petrolina

POTIGUAR
Potyguar

RONDONIENSE
Ji-Paraná

SERGIPANO
América e Boca Júnior

SUL-MATO-GROSSENSE
Chapadão e Corumbaense

TOCANTINENSE
Tocantins e Araguaína
Vamos continuar apostando na Timemania

2 comentários:

Anônimo disse...

ACRIANO?????

Se errassem o nome de algum estado do Nordeste a gritaria seria grande...

Sérgio Fraiman disse...

Nova Ortografia - Agora, quem nasce no Acre é "acriano", com "i"

Quem nasce em Cabo Verde é cabo-verdiano; quem nasce no arquipélago dos Açores é açoriano. Observe a terminação da palavra, o sufixo "-iano". Segundo a convenção ortográfica anterior, quem nascia no Estado do Acre, no Brasil, era acreano e quem nascia na cidade de Torres, no Estado do Rio Grande do Sul, era torreense. Os sufixos, nesses casos, eram "-eano" e "-eense".

O Novo Acordo vem uniformizar todas essas grafias, recomendando o emprego das formas "-iano" e "iense", já comuns em muitos termos. Assim, "acreano" cede lugar a "acriano", esta a única grafia correta agora. O mesmo vale para quem é natural de Torres, que agora passa a "torriense", com "i".
Convém lembrar que os naturais da Guiné-Bissau, país africano de língua portuguesa, continuam sendo "guineenses". Do mesmo modo, os habitantes da Guiné continuam sendo "guineanos". Isso ocorre porque o nome "Guiné" termina com "e" tônico (veja-se o acento). A substituição do "e" pelo "i" dá-se somente quando o nome de origem termina em "e" átono (como "Acre").

Fonte: UOL - Educação

Postar um comentário