26 de set de 2014

Fifa deve restringir ação de investidores no futebol

 A Fifa estuda anunciar nesta sexta-feira (26) mudanças na regulamentação de transferências de jogadores que limitem ou até mesmo excluam a participação de investidores na compra de atletas.
O comitê executivo da entidade avançou nesta quinta-feira (25) na discussão desse tópico.
A informação foi confirmada à Folha pelo presidente da Uefa, Michel Platini, e pelo presidente eleito da CBF, Marco Polo Del Nero, depois do primeiro dia de encontro.
Segundo Platini, a ideia é banir de vez a participação desses investidores nos direitos econômicos dos atletas. Ou seja, somente clubes poderiam ser donos dos jogadores, pondo fim à prática de "fatiá-los" com investidores.
Questionado pela reportagem sobre o alcance da mudança, o dirigente da Uefa foi claro: qualquer clube do futebol mundial.
Ele defende o veto à ação de fundos de investimentos, como o DIS, que ajudou o São Paulo a tirar Ganso do Santos, e a Traffic, que já teve o Palmeiras como parceiro.
Já Del Nero adotou um tom mais leve: aposta na regulamentação da prática, mas não excluindo-a do futebol, pelo menos no curto prazo. O mercado brasileiro seria um dos mais afetados por qualquer alteração na lei. São raros os jogadores dos grandes times do país que têm 100% dos direitos econômicos vinculados ao clube.
O mais normal são casos como o de Ganso. O São Paulo tem só 32% dos direitos do meia. Ou seja, em caso de uma transferência de R$ 10 milhões para o exterior, o clube ficaria com R$ 3,2 milhões, e o DIS, com o restante do valor.
Apesar de estar na agenda da Fifa há pelo menos dois anos, a medida ganhou força recentemente pela pressão feita pelos clubes ingleses.
Como o uso de investidores terceiros (que não sejam donos de clubes) é proibido na Inglaterra, os gigantes da Premier League precisam adquirir a íntegra dos jogadores quando o compram de outros mercados e têm de fatiar o pagamento entre vendedores.
Além de Espanha e Portugal, países do leste europeu e da América do Sul são os que mais utilizam recursos desses grupos de investimento para negociar jogadores. O dinheiro colocado nos atletas já estaria em torno de € 1 bilhão de euros (R$ 3 bi).
A questão é que dirigentes da Conmebol argumentam que a estrutura econômica de clubes sul-americano é muito inferior à dos ingleses, alguns deles, como Manchester City e Chelsea, com um único e bilionário dono.
Ou seja, grupos de investimentos seriam fundamentais para manter jogadores no Brasil ou em qualquer outro país neste contexto, alegam.

Da Folha de São Paulo
Vamos continuar apostando na Timemania

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.