24 de jun. de 2015

Uma boa e gorda mesada da CBF para a FCF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) distribui anualmente, através do Programa de Assistência às Federações (PAF), cerca de R$ 30 milhões às filiadas estaduais em repasses financeiros. Uma “mesada” para reforçar o apoio da entidade nacional sobre as organizações estaduais. Exemplo disso é a Federação Cearense de Futebol (FCF). Chefiada por um dos nomes mais influentes da atual gestão, Mauro Carmélio, a FCF recebeu nos últimos dois anos R$ 2,12 milhões da CBF. Em 2013 e 2014, foram registrados em balanço financeiro anual da FCF os respectivos repasses da CBF nos valores de R$ 1.005.922,47 e de R$ 1.117.665,14. A colaboração da mandatária do futebol nacional entra, em documento, no campo de “receitas não operacionais” - fora das operações normais da entidade local e em forma de recebimento por prestação de serviços.
Mesmo fora do detalhamento operacional da federação, o dinheiro recebido da confederação, segundo o presidente da FCF, vem para ajudar no pagamento de despesas ao longo do ano. “Recebemos R$ 50 mil líquidos mensais para fazer face às despesas onde pagamos a folha salarial, e encargos no total de R$ 83 mil e ainda despesas com água, luz, telefone, material de expediente, manutenção do prédio em geral, combustível do único veículo da FCF. Tudo orçado em aproximadamente R$ 15 mil”, diz Mauro Carmélio. Levando em consideração o registrado em 2014, a entidade do Ceará recebeu R$ 93.138,76 por mês no total - fora do campo de receitas brutas no balanço.
No início da gestão do presidente Marco Polo Del Nero, em 2015, os presidentes das federações de futebol do Brasil passaram a também receber remunerações da CBF. Ação definida ainda quando José Maria Marin era presidia a entidade. “Essa ajuda foi estipulada como verba de representação, pois todos que prestam serviços na CBF são remunerados”, explica Carmélio, que representou o Brasil na eleição da Fifa no mês passado, votando em Joseph Blatter.
No último mês de maio, o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, foi preso na Suíça por corrupção e outros crimes após investigações do FBI, que também culminaram na renúncia do presidente da Fifa, Joseph Blatter. Del Nero é nome sob desconfianças, pela ligação com os nomes listados no processo investigativo, mas que se mantém no comando da CBF. Em palavras próprias e através do apoio das federações.

Do O Povo
Com você, o Mecão é ainda mais forte. Seja Sócio!

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.