13 de fev de 2018

Pachequinho chega para ser o 14º técnico nos últimos seis anos

Com exceção de 2015, quando Roberto Fernandes comandou a equipe durante a temporada inteira, o América, como a grande maioria dos clubes brasileiros, não consegue segurar um treinador por muito tempo. Pachequinho foi anunciado como substituto de Leandro Campos e chega para ser o 14º técnico nos últimos seis anos.






2013
A temporada é um exemplo bem nítido dessa situação. O ano começa com Roberto Fernandes, que cai depois da eliminação na Copa do Nordeste e é substituído por Alexandre Irineu, que dura apenas uma partida. Roberto Fernandes é novamente chamado para comandar o time e termina sendo mandado embora na Série B depois das derrotas para Sport e Paraná Clube. Argel Fucks chega e sai depois de cinco partidas sem conquistar uma vitória sequer. Pintado é contratado e também tem vida curta. Não passa de oito rodadas. Sem muitas opções no mercado, Leandro Sena é guindado à condição de treinador e segue até o fim da Série B, livrando a equipe do rebaixamento.





2014
Leandro Sena é mantido no comando do time, mas não resiste ao resultado negativo de 4 a 0 contra o Ceará, na Arena Castelão, pela Copa do Nordeste. Oliveira Canindé chega para dirigir a equipe e fez um excelente trabalho na Copa do Brasil, com um resultado histórico no Maracanã, na eliminação do Fluminense. Na Série B a campanha não é a mesma. É demitido quando estava perto de completar 40 jogos pelo clube. Marcelo Martelotte desembarca no CT Abílio Medeiros para arrumar a casa, mas não é feliz e acaba sendo dispensado após nove jogos. Roberto Fernandes volta para tentar livrar a equipe do rebaixamento, faltando 10 rodadas para o fim da Série B. Não consegue e o time amarga o rebaixamento para a Série C.


2015
Roberto Fernandes permanece na direção do time durante a temporada inteira, conquista o título do Centenário, mas não obtém o acesso para a Série B.






2016
O América inicia a temporada com Aluísio Guerreiro. Não passa confiança e acaba sendo demitido com apenas sete jogos. O clube recorre a um velho conhecido: Guilherme Macuglia. Com estilo retranqueiro, acaba sendo fritado e mandado embora. Moura é convocado para dirigir a equipe nos dois jogos da final do estadual contra o Abc. A operação foi um fiasco, o time perdeu as duas partidas e o título. Sérgio China é contratado para começar a Copa do Brasil e Série C. O time é eliminado para o Gama com uma derrota fora e uma vitória em casa. Na "terceirona" o time inicia vencendo o clássico e o Ríver/PI (fora de casa), porém na sequência fica sem vencer quatro jogos. Não resiste e cai. A esperança passa a ter um nome: Francisco Diá. A realidade é cruel: 12 jogos, 3 vitórias apenas e o rebaixamento para a Série D. O América desce até o fundo do poço. 




2017
Começa com o técnico campeão da Série D no ano anterior: Felipe Surian. A eliminação para o Audax na Copa do Brasil, o insucesso no primeiro turno do Estadual e o segundo resultado negativo diante do Santa Cruz contribuíram para a demissão do treinador. Flávio Araújo volta para tentar repetir a campanha vitoriosa de 2011. O time não rende, perde o segundo turno e vê a final acontecer entre Abc e Globo. Leandro Campos é contratado com a missão de levar o América de volta para a Série C. O time faz uma boa campanha, mas sofre um revés fora de casa contra a Juazeirense e o acesso que estava tão perto até a fase anterior vira pesadelo. Fim da temporada. Mesmo sem subir o time, a diretoria resolve manter o treinador. 



2018
Leandro Campos começa o ano com todo gás. Time invicto e sem tomar gols nos quatro primeiros jogos do Estadual e uma goleada no principal rival. A lua de mel começa a azedar com a derrota para o Tubarão, fora de casa, pela Copa do Brasil. A paciência da diretoria durou até o tropeço para o Santa Cruz na última sexta-feira. Mesmo com o time na liderança, o técnico é demitido diante da possibilidade real do primeiro turno ficar com o Abc. Um novo ciclo começa na quinta-feira com Pachequinho. 

Vamos continuar apostando na Timemania

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.