31 de mar. de 2013

Campeonatos Estaduais mostram decadência

Do jeito que estão, os Estaduais não podem continuar. Essa é a conclusão de boa parte dos dirigentes do País. Ninguém é a favor do fim desses torneios, mas todos pedem mudanças drásticas nos campeonatos de norte a sul. Hoje, eles estão tão desinteressantes que não faltam exemplos absurdos: apenas 770 pessoas foram assistir ao jogo do Vasco contra o Nova Iguaçu, o Atlético-PR mandou um time B a campo e foi excursionar no Exterior, e o Grêmio escalou os juniores enquanto treinava para a Libertadores.
Mesmo decadente tecnicamente, muitos Estaduais são rentáveis. A Federação Paulista, por exemplo, paga R$ 10 milhões para cada um dos quatro grandes clubes do Estado. É esse poder financeiro, inclusive, que diminui a força dos clubes na hora de cobrar mudanças no formato.
"Se todo mundo sonha com uma liga dos clubes, adiem. Não há ambiente político para isso. Mas é possível conversar a curto prazo", afirmou o diretor executivo do Palmeiras, José Carlos Brunoro, durante seminário para discutir o calendário no futebol brasileiro, realizado no início da semana em São Paulo.
Clique AQUI para ler a matéria completa do jornal O Estado de São Paulo.
Com você, o Mecão é ainda mais forte. Seja Sócio!

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.