17 de dez. de 2014

País dos empresários

De todos os países filiados à Fifa, o Brasil é o sexto que mais tem agentes registrados: 204. Neste ano, a federação internacional decidiu acabar com a função de agente Fifa. Por isso, esta será uma marca brasileira para sempre.
Na teoria, os clubes passam a ter que negociar jogadores entre si, sem intermediários. Na prática, um atleta pode passar uma procuração a alguém de confiança.
Vistos como vilões pela ação predatória de boa parte deles, os agentes e os fundos de investimento não foram necessariamente ruins para o futebol do Brasil nos últimos dez anos.
Fernando Gonçalves é um nome desconhecido, mas foi diretor da parceria entre o Nations Bank e o Vasco no fim dos anos 1990, diretor de futebol do Fluminense em 2005, dirigente do fundo de investimentos da Traffic na parceira com o Palmeiras entre 2007 e 2009.
Há dez anos, Gonçalves dizia que os fundos de investimento colocariam dinheiro e transformariam o futebol do Brasil. Isso aconteceu.
Entre 2007 e 2014, grupos como Sonda, Traffic e MFD --criado pelo banco Modal-- ajudaram a manter ou colocar no país jogadores como Neymar, Paulo Henrique Ganso, o argentino D'Alessandro e o chileno Aránguiz. Também houve conflitos quando os agentes ou fundos de investimento decidiram tirar jogadores a fórceps.
Em 2006, Neymar viajou para Madri para treinar no Real, encontro arranjado pelo empresário Wagner Ribeiro. O jogador voltou ao Brasil três semanas depois e decidiu continuar no Santos. O agente não influenciou.
Três anos depois, Oscar rompeu com o São Paulo por influência de seu empresário, Giuliano Bertolucci. Foi para o Internacional e depois para o Chelsea, onde brilha agora na Liga dos Campeões.
O São Paulo investe R$ 8 milhões por ano em sua base e perdeu uma de suas principais revelações na Justiça.
O técnico do clube, Muricy Ramalho, costuma dizer que as promessas que chegam para treinar com o time principal já têm dois celulares e um carro do ano na garagem.
"Há agentes e agentes. Acho ruim quando o empresário tem mais de 30% dos direitos do jogador, mas é bom quando existe parceria", diz o empresário Jorge Machado.
A bola da vez é o atacante Malcom, 17, do Corinthians. O clube detém apenas 30% de seu contrato e 35% estão sob domínio de Fernando Garcia, irmão do candidato à presidência Paulo Garcia.
O contraponto é o garoto Gabriel Fernando, o Borel, do Palmeiras. Na tentativa de renovação de seu vínculo, o presidente Paulo Nobre não aceita dividir percentuais acima de 25%. Correu o risco de perder o atacante, mas protegeu o clube e vai renovar.
A existência de agentes Fifa e fundos de investimento não é necessariamente ruim, mas isso depende da maneira como o clube consegue ser independente.
Em 2007, o Manchester United chegou a comprar Tevez e manter um vínculo com o empresário iraniano Kia Joorabchian. Neste ano, o Atlético de Madri foi vice-campeão da Liga dos Campeões com um time repleto de jogadores vendidos pelo mega-agente português Jorge Mendes, como Miranda, Filipe Luís e Diego Costa.
A Fifa decidiu em outubro proibir esse tipo de associação. "Na prática, não vai mudar nada", diz Jorge Machado. "O Chelsea não terá jogadores de empresários. Todos serão do Roman Abramovich [empresário russo, dono do time inglês]", completa.
Os clubes intermediários da Europa, como Sevilla, Atlético de Madri, Porto e Benfica, usam esse tipo de parceria como forma de competir com os gigantes Chelsea, Manchester United, Bayern, Barcelona e Real Madrid. Estes têm dinheiro sobrando, o que os torna independentes dos empresários.
Apesar disso, o Real Madrid tem relação estreita com o português Jorge Mendes, que vendeu ao clube jogadores como Pepe, Fábio Coentrão --ambos por 30 milhões de euros-- e o colombiano James Rodriguez, destaque da Copa do Mundo de 2014. A diferença é que, no caso dos times mais ricos, o agente depende mais do clube do que o clube do agente.
No Brasil, os clubes não têm esse poder. 

Da Folha de São Paulo - por Paulo Vinícius Coelho
Com você, o Mecão é ainda mais forte. Seja Sócio!

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.